terça-feira, setembro 13, 2005

Marcado a fogo e calcado

Se não me tenho sentado a escrever foi porque na semana passada, noite do concerto da Mariza em Belém, servi três pratos a um senhor da Covilhã. Na altura, o dito senhor, que se dizia divorciado, mas, pela força com que me abalroou a traseira, era de certeza casado, porque só os casados fodem tão pouco ao ponto de, quando encontram rabo aberto, lho espetarem com o vigor que ele o fez, esse senhor, dizia eu, abordou-me enquanto a Mariza cantava "A Toada do Desengano". Eu estava a gostar do concerto, a rapariga sente mesmo aquilo que canta, sente tanto quanto, durante estes últimos dias, eu senti o rabo assado de tanta fuçanguice com que o senhor da Covilhã me deu por trás. Fiz-me careira, a ver se ele retomava atenção à cantoria, mas foi escusado: disse que pagava o que eu lhe pedia, e algo mais se a foda fosse dada ao ar livre, para não perder a actuação da Mariza, de quem jurava gostar muito. E se rápido o disse, mais rápido o fez, porque nem um minuto depois já tinha o dinheiro na bolsa e a piça do senhor da Covilhã atravessada entre as pernas.
A foda, enquanto eu servia o primeiro prato, foi coisa de que guardo pouca memória. Sei que quando me baixei para lhe abocanhar a piça reparei que, àquela altura do chão, rodeada de pessoas por todos os lados, o som que vinha do palco chegava-me abafado aos ouvidos. Mas este efeito acústico também pode ter sido provocado pelo inchaço que a piça do senhor da Covilhã apresentava. Inchaço tal que serviu para reforçar a minha ideia de que o senhor não tinha vindo da Covilhã por ser grande fã da Mariza, mas sim porque precisava de aliviar os testículos de certo peso que, por mais de uma vez, tomei na mão.
O segundo prato, esse, já foi coisa de grande monta. Literalmente, porque o senhor da Covilhã montou-me sem regra nem pudor, alheio aos olhares das várias famílias que agora prestavam mais atenção à foda que se desenrolava ali ao lado do que propriamente à fadista. Alguns pais de família taparam os olhos às crianças, outros taparam os olhos às mulheres e, sem despegar olho de mim, levaram as mãos às braguilhas. Não digo que estivesse tudo a olhar para nós, mas grande parte. Tive de chamar a atenção ao senhor da Covilhã. Disse-lhe que se me queria espetá-lo com público a assistir, tinha de pagar mais um extra, porque não sou a Mariza mas sou artista no que faço, e se a Mariza quer actuar de borla para o grande público, o problema é dela. Eu é que não vou nessa cantiga.
O senhor da Covilhã nem pestanejou, ou se o fez eu não vi, por causa da luz do palco. A única coisa que sei é que, apesar de estar com as calças pelos tornozelos, levou a mão ao bolso e tirou a carteira com tanta destreza que até parecia que a tinha no bolso do casaco. Mas não, porque se assim fosse já tinha perdido todo o dinheiro e documentos; é que o senhor da Covilhã tinha atirado o casaco para cima da multidão, e agora alguém, talvez convencido que a Mariza tinha atirado um xaile de cima do palco, se divertia a rodá-lo pelo ar enquanto gritava "Ah, fadista!". Como já me começava a doer, fingi que as palavras de incentivo eram dirigidas a mim.
Mas se por esta altura me fazia doer, então quando o senhor da Covilhã resolveu começar a tratar-me das nalgas foi o descalabro. Era tal o inchaço que apresentava na piça que até vi estrelas, não apenas uma, a Mariza, que essa eu já nem a via. E as estrelas cantavam-me aos ouvidos: "depois desta não te vais conseguir sentar durante mais de uma semana". E estavam certas.
Quando acabou o serviço, o senhor da Covilhã desapareceu por entre a multidão, sem sequer puxar as calças para cima. Devia querer voltar para a mulher que não tinha na Covilhã, e estava com medo de apanhar bicha à uma da manhã. O pai de família que uns minutos mais cedo tinha tapado os olhos à mulher também parecia ter acabado o serviço, porque outro pai de família que estava à frente dele preparava-se agora para lhe dar um soco por causa de qualquer coisa que o primeiro lhe tinha entornado nas calças. Não me fiz rogada e, antes que ele levasse o soco, ainda lhe fui pedir contas.
Os meus tímpanos ainda desentupiram a tempo de ouvir a Mariza cantar: Este amor, este meu fado/Tão vivido e magoado/Entre o sim e o todavia/Este amor amor desgovernado/Marcado a ferro e calcado. E era assim que sentia o rabo, marcado a ferro e calcado.
Quando a Mariza acabou, eu aplaudi muito. Depois saí dali, decidida a passar a próxima semana com o rabo mergulhado em Betadine, e jurei a mim mesma nunca mais ir a uma noite de fados.

12 Comments:

At 2:52 da tarde, Anonymous Maria Alice said...

Zézinha, rapariga, ninguém diga que a vida é fácil!... Presumo que sejas imigrante em Lisboa, como tantos entre os lisboetas. Mas tens ar de imigrante recente, ou já te terias habituado a dizer "picha" em vez de "piça". Repetes tanta vez o nome da Covilhã... Já lá estiveste? Business or pleasure?

 
At 6:48 da tarde, Blogger Zézinha said...

Business, minha querida, só faço viagens de trabalho

 
At 10:06 da tarde, Anonymous Maria Alice said...

Obrigada pelo esclarecimento. Espero que não mistures trabalho com prazer. Aliás, até poderá haver aí pretexto para um bom post. Tão prolixa nas formas de usar a verve e o corpo, certamente terás suscitado paixões especiais em clientes mais afoitos. Poderás contá-las, estimulando o nosso voyeurismo de raparigas e rapazes que nem se atrevem a sonhar com tanta afoiteza.

 
At 8:41 da tarde, Blogger dwainmorgan65204203 said...

i thought your blog was cool and i think you may like this cool Website. now just Click Here

 
At 12:18 da tarde, Blogger Master Minder said...

Olá, Zézinha. Aconselho-te a ires às opções do blogspot e a clicares na opção em que se torna necessário escrever um grupo de letras antes de publicar comentários. Senão, vais continuar a apanhar com este spam horroroso em cima. Cumps.

 
At 11:42 da manhã, Anonymous Maria Alice said...

Vejo que estás bem aconselhada, Zézinha. E cheia de trabalho, a avaliar pela produção. Realmente, sempre ouvi dizer que não se escreve com a boca cheia.

 
At 8:36 da tarde, Anonymous Anónimo said...

hjih

 
At 8:40 da tarde, Anonymous Anónimo said...

I'm a friendly kind of sperm... oops, a friendly kind of spam. Click your intimate body parts and you'll find the coolest wetsite... oops, website you've ever seen. Master Minder already knows it.

 
At 1:11 da manhã, Blogger Master Minder said...

Just to keep it in English, I wish you wouldn't mention my name for I'm perfectly able to do so myself. Thanks.
Ó Zézinha, seria possível apagares a mensagem do(a) imbecil? Obrigado.

 
At 1:53 da manhã, Blogger Master Minder said...

Ainda cheguei a desconfiar de quem mais me teria deixado esta prenda mas seria muito rebuscado. No entanto, nada como saber mexer em computadores e na net e ver a quem pertence a identidade do post "anónimo" que aí está atrás. Ou seja, agora sei perfeitamente quem anda a brincar. Eu também gosto de brincar mas depende... Uma vez mais, agradeço que venhas ao blog e apagues estes disparates. Obrigado.

 
At 11:00 da manhã, Anonymous Anónimo said...

Que estranho... :)

 
At 3:50 da tarde, Blogger Master Minder said...

Cara Zézinha, o teu blog parecia prometer algo. Afinal, parece morto... Há uma semana atrás, pedi-te que apagasses tudo isto e enviei-te, inclusive, um mail. Como parece que foste montar o teu bordel para outro continente e que lá não há acesso à net, vou ter que retirar - não que me pareça que te importes - o link que te tinha feito. Coisas da vida. Ciao bambina.

 

Enviar um comentário

<< Home